sábado, 12 de maio de 2012

Do radicalismo


Nunca ouvi falar de genocídio em nome do ateísmo, ou de apedrejar uma pessoa em nome do ateísmo. Nunca vi um ateu desejar a morte de alguém que simplesmente se declara religioso, não conheço confinamento ateu ou ameaças eternas a quem não for ateu. Ainda assim, algumas pessoas me perguntam se os ateus são muito “radicais”.
Como em qualquer grupo, existem diferenças imensas de pessoa para pessoa. Ainda assim, se eu fosse montar uma opinião com base na história da humanidade, suas inquisições e torturas, não seriam os ateus quem eu chamaria de radicais. 

5 comentários:

  1. acho que cada ideia carrega em si sua veia radical e é potencialmente extremista, basta que alguém faça uso dela para tais fins. por isso devemos ter tanto cuidado ao analisá-las e fazer uso delas, principalmente aquelas com as quais nos identificamos, justamente para amanhã ou depois não a roubem e usem para justificar condutas radicais.

    ResponderExcluir
  2. Se um ateu diz "quero o fim de todas as religiões", isso não é radical?
    Se um ateu diz que "todos os crentes são burros" ou que "a universidade fracassa quando alguém termina o curso ainda crente em Deus" não é radicalismo?
    E quando um regime de cosmovisão atéia atinge o poder e persegue os religiosos (já religião é um mal) chegando até a matar, isso é mera concidência, e não um radicalismo de ideia atéia?

    Talvez realmente não haja radicalidade em certos meios, apenas demonstração de alguma outra coisa. O quê?

    ResponderExcluir
  3. Olá Yuri! Concordo que perseguir e matar é sim radicalismo. Você tem algum exemplo disso feito por ateus, que eu desconheça?

    Quanto às posturas, é como eu disse no post: assim como em todos os grupos - ateus e religiosos - existem diferentes posturas e nem a religião nem o ateísmo podem ser definidos pelas atitudes de alguns. Tem gente que diz mesmo o que vocÊ colocou. E tem muita gente que diz "quero o fim do ateísmo" ou "todos os ateus são burros". A diferença é que isso e visto como normal se vindo de religiosos.

    Não estou dizendo aqui que a igreja é radical e o ateísmo não. Isso seria a generalização oposta.

    Só acho muito estranho que as pessoas fiquem me perguntando se os ateus são radicais sendo que a maioria das evidências históricas de radicalismo por crença vem das igrejas. Para mim isso é evidência de que ainda há um estigma sobre ateus, um medo prévio de que eles sejam "maus". A Igreja Católica queimou pessoas vivas e ninguém pergunta sobre um católico "ele é radical"? Já se uma organização ateia publica algo contra as religiões, tem quem ache que todos os ateus são radicais...

    ResponderExcluir
  4. concordo luciana... o religioso médio tem medo sim do ateu, por temer que na ausência de uma ética religiosa definida (um "freio divino" para suas ações) o ateu se coloque mais radicalmente contra o status quo e os valores caros a sua religião e as religiões de maneira geral. não acreditar em deus é algo que assusta, afronta quem crê.

    ResponderExcluir